Cinco tendências da Construção Civil que prometem se destacar em 2019

As tendências da construção civil podem ser ótimas aliadas dos investidores no próximo ano. A estimativa de crescimento para o setor com o aumento do Índice de Confiança da Construção (ICST), calculado pela FGV/IBRE, que chegou a 84,7 em novembro de 2018 – o maior nível atingido desde janeiro de 2015, mostra a perspectiva positiva para o ano de 2019. Enquanto em 2018, o PIB daconstrução civil registrou o quinto ano seguido de retração. A expectativa é a de que, em 2019, esses números negativos fiquem para trás. A projeção de crescimento de 1,3% pode parecer tímida, mas já significa uma mudança de direção.

As promessas para o futuro são positivas, portanto, é importante estar atento às inovações para se destacar dos concorrentes no mercado. Pensando nisso, separamos uma lista com as cinco principais tendências da construção civil que valem a pena investir em 2019.

tendencias da construção civil

Sustentabilidade

Os danos causados ao meio ambiente pelo setor da construção civil já são de conhecimento público e cada vez mais, as pessoas se mostram preocupadas com os efeitos disso no ecossistema. Dessa forma, a sustentabilidade é uma das mais importantes tendências da construção civil para o próximo ano. De acordo com o Green Building Council Brasil, um projeto de construção sustentável médio é capaz de reduzir em 40% o uso de água, 35% a emissão de gás carbônico e 65% o desperdício. Conservar a energia, melhorar a qualidade do ar, tornar as ações menos poluentes, incentivar a reciclagem e utilizar a matéria-prima eco-friendly são ações indispensáveis daqui pra frente.

Internet das Coisas

A Internet das Coisas (IoT) refere-se à utilização da internet para gerenciar equipamentos e objetos comuns do nosso dia a dia. Na construção civil, essa interação é fundamental para que os projetos possam acontecer de maneira integrada e dinâmica, permitindo a gestão inteligente de equipes e do canteiro de obras, além da execução estratégica de serviços e do aumento da segurança em campo. Como resultado, é possível encurtar prazos, prever possíveis problemas e sincronizar informações e planos em tempo real. Essa tecnologia vem causando transformações profundas e representa uma das tendências da construção civil que devem se fortalecer em 2019.

Realidade Aumentada

Quando falamos em tendências da construção civil a realidade aumentada mostra-se uma inovação tecnológica impressionante, que permite construir projetos de uma forma diferente e bem mais interativa. Essa tecnologia projeta, em um espaço já existente, um projeto ou design em 3D ou dispositivos móveis. Isso significa que ao em vez dos clientes visualizarem só a planta, por exemplo, a realidade aumentada permite que vejam uma projeção da construção finalizada. Entre as as vantagens de utilizar a realidade aumentada, destacam-se: a economia de tempo e de recursos financeiros, maior precisão nos projetos, gestão mais eficiente dos processos, entre outras.

Construção Modular

Como uma solução para racionalizar recursos e aumentar a produtividade a construção modular destaca-se entre as tendências da construção civil. Essa técnica pode ser aplicada com diversas finalidades, não precisa se restringir a um material estrutural específico, podendo se basear no uso do aço, do concreto, madeira ou mesmo novos materiais. A sua utilização oferece inúmeros benefícios, como a qualidade construtiva, redução de prazo de execução, previsibilidade de custo, menor dependência de mão de obra e eliminação de desperdícios são motivos que justificam a implementação da construção modular pré-fabricada.

BIM (Building Information Modeling)

A tecnologia BIM está cada vez mais presente no setor e assim permanecerá com uma das tendências da construção civil. Com uma capacidade incrível de solucionar problemas, permite organizar informações de forma consolidada em uma única plataforma, facilitando o compartilhamento de dados e a compatibilização de projetos em tempo real. A tecnologia também contribui na redução de falhas, antecipa problemas e analisa possíveis interferências.

Diante da estimativa de crescimento para o ano de 2019 é muito importante direcionar investimentos para essas tendências da construção civil com o objetivo de buscar diferenciais para se destacar no mercado.

Máquinas pesadas aumentam a produtividade do seu negócio

agronegócio tem uma expressiva participação na economia do país. Hoje, a atividade representa pouco mais de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e, até o final de 2018, deve crescer 3,4% de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP. Com o alto potencial do setor, muitas empresas têm investido em diferentes tecnologias para garantir cada vez mais eficiência e redução de despesas para suas operações.

Porém, o que chamou a atenção do mercado atual é a alta procura por ferramentas que, até então, eram utilizadas apenas na construção civil. De acordo com Hugo Magno, Consultor de Desenvolvimento de Mercado da Sotreq, empresa com 76 anos de atuação no mercado e uma das maiores provedoras de soluções, produtos e sistemas Cat® no Brasil, existe uma explicação para o aumento das vendas para o setor.

Há uma demanda crescente por produtividade no Agronegócio e, consequentemente, as aplicações se tornaram mais severas. Os parâmetros operacionais e de produção têm sido alterados para valores mais críticos, o que intensifica a necessidade por equipamentos de maior porte, mais produtivos e rápidos e com projetos que favoreçam maior disponibilidade mecânica, descreve.

Atualmente, dois produtos se destacam na agricultura. Um é a Escavadeira, pela sua versatilidade em atividades como escavação de pequenos açudes, represas, lagos, tanques para carcinicultura, piscicultura, abertura de valetas para drenagem ou sistemas de irrigação, limpeza e preparação de terreno, silvicultura, supressão vegetal, entre outros. O outro é a Carregadeira, que pode ser empregada em terraceamento, levantamento de curvas de nível, preparação de terreno, pilhas de bagaço, movimentação de cargas como fardos de algodão, feno e muitas outras tarefas.

Um mesmo equipamento pode realizar, de maneira eficiente, uma vasta gama de trabalhos. Sendo assim, independente da sazonalidade da safra, sempre haverá alguma atividade para uma maquina desse porte realizar, afirma Magno.

agronegócio no brasil

Adaptações para o campo

Para serem manuseadas na agricultura, os equipamentos podem passam por adaptações e configurações e recebem, ainda, algumas ferramentas de trabalho, sendo essas denominadas Work Tools. A escolha desses Work Tools depende do tipo de operação que o cliente pretende manusear, ou seja, quanto mais especializado for o procedimento, maior será a necessidade por alguma adaptação da máquina.

Segundo Magno, no portfólio da Caterpillar, por exemplo, existem configurações especiais que valorizam a produtividade em trabalhos que apresentam maior severidade. Exemplo disso é o arranjo Sugar Cane existente para a Carregadeira de Rodas Cat® 938K.

Ele propicia à carregadeira uma maior produtividade na movimentação de pilhas de bagaço de cana. Em escavadeiras, no entanto, estamos explorando o uso de engate rápido no modelo 313D2L que possibilita o uso de diferentes implementos na agricultura”, afirma o consultor

Dentro da Sotreq, os principais modelos procurados pelos clientes são as Escavadeiras Cat® 313D2L, 318D2L e 320 e as Carregadeiras de Rodas Cat® 924K, 930K, 938K e 950L. “Hoje oferecemos produtos cada vez mais versáteis, robustos e com diferentes finalidades, como Tratores de Esteira, especialmente o modelo D6K, e as Motoniveladoras Cat® 120K, 12K e 140K. Todos com um custo de produção muito atrativo para o cliente”, afirma.

Esses itens contam, ainda, com uma rede de Suporte ao Produto que é desenhada para ofertar soluções que maximizem sua disponibilidade. Além disso, mais um diferencial é o sistema de monitoramento via satélite e a integração com o SotreqLink, ferramenta desenvolvida pela Sotreq que viabiliza a gestão da frota, acompanhamento do controle de custos operacionais e aquisição de peças e serviços on-line.

A Sotreq e a Caterpillar também possuem soluções de tecnologia que podem aumentar a eficiência da operação, como o Cross Slope, para Motoniveladoras, que auxilia na execução do caimento de drenagem para estradas vicinais, e o Slope Assist, tecnologia padrão nos tratores de esteira D6K e D6N, que mantém, de forma automática, a inclinação da lâmina de acordo com a necessidade do operador.

O Consultor de Desenvolvimento da Sotreq ressalta que, independentemente da utilização, algumas cautelas devem ser seguidas para não interferir no desempenho da máquina. Entre elas, deve-se atentar à experiência e habilidade do operador, pois quanto melhor for seu nível de aptidão, mais produtiva será a máquina.

“A manutenção do equipamento também deve ser levada em consideração. Se for feita com a própria equipe do cliente, é necessário atentar aos procedimentos que o fabricante indica, entre eles, adotar práticas do manual de operação e manutenção da máquina, usar peças originais e contar com mão de obra treinada”, informa Hugo. “Uma opção é a empresa contratar o distribuidor para realizar a manutenção, como é o caso da Sotreq que possui diversas opções de contratos de manutenção que podem beneficiar o cliente nesse sentido. Lembrando que a operação e a manutenção são a alma de uma máquina produtiva”, conclui Magno.

 

Nova série de escavadeiras hidráulicas ganha robustez e produtividade

O mercado de construção, não diferente dos demais, demanda produtos mais duráveis e com maior produtividade. Esta é a proposta da CASE com as novas escavadeiras hidráulicas Série C produzidas no Brasil, de acordo com o gerente de Marketing para a América Latina, Carlos França.

Toda a série de escavadeiras ganhou lanças, braços e opções de caçambas heavy duty, para serviços pesados, que asseguram maior durabilidade desses implementos. O sistema hidráulico foi otimizado proporcionando melhor distribuição da vazão das bombas nos movimentos combinados.

A tubulação, por sua vez, foi redimensionada para evitar o máximo de perdas de carga, aquecimento do óleo hidráulico e carga desnecessária ao sistema, o que resultaria em maior consumo de combustível.

As escavadeiras são equipadas com motores eletrônicos com certificação Tier III. Possuem rotação ligeiramente reduzida, também passaram por ajustes para melhor adaptação a cada condição operacional e ambiental. O sistema de injeção é menos sensível a combustível com alto teor de enxofre, possibilitando assim maior vida útil dos componentes.

Entre as inovações dos motores estão um novo regulador eletrônico que proporciona aumentos de potência correspondentes à exigência hidráulica. O torque e a rotação estão em sintonia com as oscilações de carga, reduzindo ligeiramente a rotação nos movimentos que não demandam potência, como abaixamento e fechamento do braço em vazio e aumentando o torque quando altas cargas são impostas.

Novas funções hidráulicas e no próprio motor, por exemplo, o sistema Shut Down programável, que desliga o motor se nenhum atuador for utilizado durante 3 minutos, também contribuíram para diminuir o consumo de combustível.

Esta função foi adicionada à função Auto Idle, que reduz a rotação do motor para marcha lenta quando não utilizado nenhum atuador durante cinco segundos. Já a função calibre ECO exibe em tempo real, em uma escala de dez, as fases do nível de economia de energia, permitindo que o operador monitore constantemente o consumo.

“Todos estes ajustes asseguraram uma redução no consumo de combustível de 14% em média em relação à série anterior que já era considerada uma das de menor consumo do mercado”, garante ele.

Controle e conforto

A cabine das escavadeiras CASE Serie C é mais espaçosa que os modelos anteriores e os componentes internos foram reposicionados para proporcionar aumento de espaço para os pés (40 mm a partir do banco). Já os níveis de ruído foram reduzidos a padrões semelhantes aos padrões automotivos, em torno de 70 dBa.

Para melhor controle das operações, todas as informações estão disponibilizadas no monitor de LED com tela de 7’’. A tela também pode ser dividida entre duas opções de câmera (visão traseira ou lateral).

Modelos atendem desde aplicações mais leves à mineração:

CX130C – O modelo tem peso operacional 12.900 kg ou 13.500 kg (na versão com lâmina) e motor de 95 HP. Está entre as principais aplicações a abertura de valas em banhados, construção de pequenas barragens para irrigação, abertura de valas para redes de esgoto e carregamentos de caminhões.

Disponibilizada também uma versão com lâmina de 2.590 mm, que aumenta sua versatilidade e é muito utilizado no agronegócio, em aplicações de nivelamento de terreno e preenchimento de valas.

Suas dimensões proporcionam também uma excelente vantagem para o mercado de locação pela facilidade em ser transportada, até mesmo por um caminhão trucado, que possui um eixo na frente e dois atrás.

CX180C – O modelo imediatamente superior ao de 13 toneladas é a CX180C, com peso operacional de 17.815 kg e motor de 119,6 HP, que se encaixa nas demandas do mercado de aluguel por sua versatilidade, e em algumas aplicações feitas por escavadeiras de 20 toneladas, como a colheita florestal. Nesta aplicação, a escavadeira de 18 toneladas é preferida quando a colheita é feita precocemente ou no corte seletivo, pois apresenta melhor custo/benefício.

CX220C Série 2 – As escavadeiras hidráulicas na faixa de 20 toneladas detêm a metade do mercado brasileiro no segmento pela versatilidade. A CX220C Série 2, de 23.774 kg e motor FPT Industrial de 147,8 HP, possui excelente desempenho e produtividade, operando tanto em serviços leves quanto em minerações e escavações de médio porte. Fazendo uma analogia a um jogo de cartas, a CX220C Série 2 é um trunfo nos segmentos em que se aplica uma escavadeira, pois substitui qualquer das demais, guardadas as devidas proporções.

CX240C Mass Excavator – Para as aplicações onde o trabalho pesado é mais rotineiro, como nas minerações ou em uma extração de pedra, é indicada a CX240C Mass Excavator, com motor FPT Industrial de 147,8 HP e peso operacional de 24.917 kg. O modelo possui algumas similaridades com a CX220C Série 2, como o tamanho da máquina, a potência do motor e o torque. Mas, possui maior contrapeso, braço reduzido, além de caçamba maior e mais robusta, alcançando maior rendimento nessas operações. O modelo agrega a versatilidade operacional de uma escavadeira de porte médio e desempenho em aplicações extremamente pesadas.

CX350C – O principal foco no desenvolvimento da CX350C é atender às necessidades das grandes construtoras e mineradoras. O modelo foi desenvolvido para aplicações em que o objetivo é a alta produção, como é o caso de construções e duplicações de rodovias, que exigem o carregamento de grande quantidade de caminhões. Possui motor de 268,2 HP e peso operacional de 38.201 kg.

CX370C Mass Excavator – Com a mesma proposta das escavadeiras de grande porte que é alta produção, a CX370C Mass Excavator possui várias similaridades com o modelo CX350C, como potência e tamanho, mas com braços mais robustos e contrapesos maiores, que aumentam a capacidade de elevação e garantem maior produtividade em minerações e extrações pesadas. É equipada com motor de 268,2 HP e tem peso operacional de 38.574 kg.